Skip to content

Em São José de Ribamar, Dr. Julinho renova contrato com instituto por R$ 8,2 milhões por apenas 90 dias

O prefeito do município de São José de Ribamar, Dr. Julinho (PL) decidiu renovar o contrato com Instituto Nacional de Tecnologia, Educação, Cultura e Saúde – INTECS para realizar o gerenciamento de ações e serviços de saúde no Hospital e Maternidade do município em caráter emergencial por um período de 90 dias.

De acordo com o levantamento da Folha do Maranhão, o contrato foi feito com dispensa de licitação e custará aos cofres públicos o valor de R$ 8.261.325,57.

Na semana passada, a Folha do Maranhão mostrou que o  Ministério Público do Maranhão através da 1ª Promotoria de Justiça de São José de Ribamar, abriu uma investigação contra a gestão de Julinho por supostas ilegalidades na contratação milionária do Instituto Nacional de Tecnologia, Educação, Cultura e Saúde-INTECS, que tem como sócios os empresário Lauro Alves de Sousa Filho e Leuda Sousa da Silva.

O promotor Márcio José Bezerra Cruz solicitou a Secretaria Municipal de Saúde que encaminhe com urgência a documentação referente a contratação do instituto, além da coleta de informações, depoimentos, certidões, perícias e demais diligências, para instauração da ação civil e/ou penal.

Segundo a Folha do Maranhão, em junho do ano passado, a prefeitura de São José de Ribamar contratou o Inatecs para realizar o gerenciamento e a execução de atividades, ações e serviços de saúde no Hospital e Maternidade de São José de Ribamar, em caráter emergencial, pelo período de 180 dias, com o valor de R$ 16.221.822,94, cerca de R$ 2,6 milhões por mês.

Além disso, em novembro do ano passado, o mesmo instituto foi contrato para realizar procedimentos cirúrgicos eletivos em regime de mutirão no âmbito do Sistema Único de Saúde- SUS. Desta vez, o contrato foi estimado R$ 403.226,13.

Em Ambos os contratos entre o instituto e a gestão de Julinho, foram feitas através de contratação direta, sem licitação.

Em pesquisa realizada pela Folha do Maranhão mostra que, o instituto não aparece cadastrado no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES).

Com esse novo contrato, o instituto irá faturar no prazo nove meses, cerca de R$ 24.886.374,64 para gerir um hospital e maternidade do município.

Leia outras notícias em FolhadoMaranhao.com. Siga a Folha do Maranhão no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva em nossos canais, do Telegram e do Youtube. Envie informações e denúncias através do nosso e-mail e WhatsApp (98) 98136-0599.

Comentários

Doações

Você poderá fazer comentários logado em seu facebook logo após a matéria.