Skip to content

Polícia Federal já identificou prejuízo de R$ 9,8 milhões do Covid-19 na gestão de Edivaldo Holanda Jr.

Um levantamento da Folha do Maranhão aponta que, das operações realizadas pela Polícia Federal no combate aos desvios de recursos do Covid-19 em São Luís, durante a gestão de Edivaldo Holanda Jr, o prejuízo apontado pela instituição chega a R$ 9,8 milhões.

Ao todo, a Polícia Federal já realizou cinco operações visando combater os desvios de recurso na área da saúde de São Luís. Foram elas: Operação Alinhavado, realizada na manhã de hoje (8), nesta operação foi identificado o prejuízo no valor de R$ 3.200.000,00; Operação Tempo Real, onde a PF apontou o valor de R$ 718.000,00; Oficina Desmascarada, foi estipulado o valor de  R$ 1.800.000,00 prejuízo e as operações Cobiça Fatal e fases, onde o valores apontados pela PF foi de R$ 2.306.600,00 e R$ 1.811.600,00; respectivamente em cada.

Um dos principais alvos da Polícia Federal nas cincos operações é o ex-secretário de saúde de São Luís, Lula Fylho. Segundo a PF, todos os contratos irregulares que viraram alvos de operação da instituição, tinha como chefe da pasta o ex-secretário Lula Fylho. O ex-secretário já foi alvo de busca e apreensão em sua residência, e atualmente vem respondendo os inquéritos destas operações.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, ainda existem operações em curso, o que pode aumentar o valor desviado durante a gestão do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior.

O prefeito que usou apenas 41% dos recursos da Covid-19 terá muito que explicar na CPI da Covid-19 instalada no Senado Federal, é o que pede o autor do requerimento, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) que protocolou o pedido de convocação do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr para explicar o fato da Operação Cobiça Fatal em sua gestão. O requerimento ainda não foi analisado pela CPI

Leia outras notícias em FolhadoMaranhao.com. Siga a Folha do Maranhão no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva em nossos canais, do Telegram e do Youtube. Envie informações e denúncias através do nosso e-mail e WhatsApp (98) 98136-0599.

Comentários

Publicidade

Você poderá fazer comentários logado em seu facebook logo após a matéria.