Skip to content

Maranhão aumenta em 20% casos de Covid-19 nas unidades prisionais

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a partir de coleta realizada pelos Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF) de Tribunais de Justiça de todo o país, o Maranhão aumentou em até 20,3% os casos de Covid-19 nas unidades prisionais do estado.

Desde o início da pandemia, o Maranhão registrou 936 casos em servidores que trabalham nas unidades prisionais. Esse número, deixa o Maranhão em 9º lugar, como estado que mais servidores foram contaminados pelo Covid-19 no país. Já quando se trata de óbitos, o Maranhão fica 4ª lugar no ranking, com 12 mortes confirmadas.

Em relação aos presos, desde o início da pandemia o Maranhão já registrou 508 casos entre a população carcerária, com 3 óbitos registrados.

O CNJ também fez o levantamento no sistema socioeducativo, onde o Maranhão registrou 146 casos entre os servidores e apenas 20 casos nos adolescentes privados de liberdade.

Nenhum óbito foi registrado no sistema socioeducativo.

O Maranhão realizou 1.857 testes para detecção de Covid-19 em presos e 1.577 testes em servidores das unidades prisionais. No sistema socioeducativo, foram 267 testes em adolescentes privados de liberdade e 869 testes nos servidores.

Foram aplicadas 88 doses referentes a 1ª dose da vacina contra o Covid-19, e 19 doses referentes a 2ª dose da vacina nos presos. Já os servidores receberem 3.737 doses da 1ª dose e 1.884 doses da 2ª dose.

Os servidores do sistema socioeducativo já receberam 573 doses com a 1ª dose e 190 doses com a 2ª dose. Nenhum adolescente que faz parte do sistema socioeducativo foi vacinado.

Segundo o governo do Maranhão, desde o início da pandemia foram distribuídas mais de uma máscara por indivíduo (94.704 máscaras para pessoas presas, e 177.397 máscaras para servidores).  Na capital, há vagas em enfermaria de isolamento para Covid-19 (48 leitos), bem como 29 leitos para tratamento de outras enfermidades, sendo leitos de baixa complexidade, em 4 unidades prisionais. Nas unidades do interior, há locais adaptados para os casos de emergência. Em casos de maior gravidade, as pessoas presas são encaminhadas para hospitais de referência. A equipe de saúde é multidisciplinar, com médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e dentistas. Em média, realizam-se 20 atendimentos diariamente.

Leia outras notícias em FolhadoMaranhao.com. Siga a Folha do Maranhão no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva em nossos canais, do Telegram e do Youtube. Envie informações e denúncias através do nosso e-mail e WhatsApp (98) 98136-0599.

Publicidade

Um comentário

  1. Ana Amélia Figueiredo Santos Ana Amélia Figueiredo Santos

    Elegeram por que quiseram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *