Reportagem do Fantástico acende alerta na prefeitura de São Luís

No último domingo o Fantástico revelou o esquema que acontecia entre construtoras e a prefeitura Uberlândia, onde funcionários da prefeitura aprovava projetos de imóveis, prédios e condomínios inteiros, em troca de propina para liberação, mesmo os projetos apresentando vários erros.

No esquema, uma funcionária da prefeitura de Uberlândia chegou a movimentar R$ 15 milhões do dinheiro de propina que recebia para liberar os projetos, esse dinheiro era depositado diretamente em sua conta pessoal. Ainda segunda a investigação ao todo 74 empresas estavam envolvidas no esquema.

Em fevereiro deste ano, o deputado Wellington do Curso denunciou um suposto esquema da prefeitura de São Luís e a empresa Cyrela, parecido com o que aconteceu em Uberlândia.

De acordo com o deputado a empresa Cyrela após ter a liberação da prefeitura de São Luís para a construção do empreendimento “Jardins”, um conjunto de condomínio na Av. Jerônimo de Albuquerque, no bairro do Cohafuma. A empresa teria que dar uma contrapartida para melhoria de vias urbanas na capital.

A Secretaria de Obras e Serviços Públicos – SEMOSP, recebeu da Cyrela o equivalente a R$ 7 milhões para obras de melhorias urbanas de acesso a várias vias e, ainda, construção de um viaduto na região do empreendimento.

A contrapartida no valor de R$ 7 milhões foi um requisito para a concessão de alvarás de construção e terraplanagem, licenças ambientais e o Habite-se’. Toda a documentação foi liberada pela Prefeitura de São Luís, entre 2012 a 2015, quando Edivaldo Holanda Júnior já era prefeito.

Até o momento não se sabe para onde foi esse valor destinado, uma coisa é certa, a prefeitura de São Luís em nenhum momento construiu um viaduto na região.

O site Folha do Maranhão apurou a existência de uma investigação do Ministério Público para apurar o possível desvio de dinheiro e o favorecimento na liberação licenças ambientais e habite-se para as construtoras em São Luís.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*