Skip to content

Em meio ao escândalo de supersalários, CAEMA registra quase 5 mil reclamações em todo Maranhão

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA), passa por um dos seus piores momentos de toda sua história, supersalários, diversas reclamações de consumidores, problemas técnicos e estruturais, especula-se até em privatização do órgão.

Recentemente uma lista com mais de dois mil servidores, foi divulgada na imprensa local e nacional, a “lista dos supersalários” como fico conhecida, foi denunciada na Assembleia Legislativa pelo deputado Wellington do Curso.

A existência de servidores ganhando R$ 35 a 91 mil, agravou mais ainda a crise da companhia.

Com problemas de cobrança, contrato, sistema de atendimento ao consumidor (SAC), vício ou má qualidade de serviço, a CAEMA é uma empresa líder em reclamações no em todo Maranhão.

O site Folha do Maranhão fez um levantamento de dados junto ao Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (SINDEC)

 A CAEMA só no ano de 2015 registrou um total de 699 de reclamações, no ano de 2016 o número saltou para 1.082 registros, 2017 o ano fechou com 1.334 reclamações, 2018 foram 891 casos. De janeiro até setembro deste ano as reclamações chegam ao número de 544.

De 2015 a setembro de 2019, a CAEMA registrou 4.552 reclamações no Estado do Maranhão.

Esses dados nunca foram divulgados pelo Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor do Maranhão (PROCON), após solicitarmos a informação o órgão se negou a fornecer. O PROCON divulgava apenas dados das 10 empresas mais reclamadas do estado, onde somente no 2017 o órgão incluiu a CAEMA na lista, pois a mesa ficou 10º lugar no ranking geral de reclamação.

Os dados do SINDEC são fornecidos pelos Procons de todo Brasil.

De acordo com Art. 22. da Lei Nº 8.078. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.

Quem se sentir prejudicado pela má qualidade de serviço da CAEMA, deve ingressar com ação na justiça, para restabelecer a regularização dos mesmos e quem sabe até ser indenizado.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *