Skip to content

Maranhão tem a maior alta do Brasil na circulação de motos em dez anos

Segundos dados da Seguradora Líder, que administra o Seguro DPVAT, o Maranhão é primeiro colocado nos índices de aumento de frota dos últimos dez anos, em motocicletas e ciclomotores em todo País. Em 2009 o Estado possuía uma frota de 354.020 motocicletas, já em 2018 essa frota teve um significativo, um total 1.025.889 de motocicletas e ciclomotores.

Esse número representa um aumento de 189,8%.

O número de sinistros pagos para motocicletas e ciclomotores, também sofreram um aumento. Em 2009 o Maranhão ocupava o 15º na lista com 2.788 sinistros. Já em 2018, ocupamos o 11º com 11.164 sinistros pagos para esses tipos de veículos.

Ouve também um aumento de 132,3% no número de indenizações pagas por morte no trânsito. São 527 mortes em 2009 e 1.224 mortes no ano de 2018. As indenizações pagas por invalidez permanente tiveram um aumento de 1.971 em 2009 para 9.504 em 2018, um aumento equivalente a 382,2%. No quesito despesa médica o Maranhão registro 290 casos em 2009, contra 436 no ano de 2018, uma variação de 50,3%.

No ranking geral de quantidade de indenizações pagas por Estado, o Maranhão ocupada o 10º lugar.

No detalhamento do ranking por mortes, em 2018 o Maranhão aparece em 5º lugar como o Estado onde teve mais sinistros pagos por mortes. A cidade de São Luís também aparece no ranking geral, no ano de 2018 a capital do Maranhão ficou com a 6ª, já Imperatriz aparece 8ª colocada.

O Brasil em 2009 tinha uma frota de 14.920.067 de motocicletas. Já em 2018 registrou o número de 26.713.332 motocicletas, sendo que somente em 2016 foi criada a categoria de ciclomotores.

Ainda segundo a Seguradora Líder, em 10 anos, o Brasil registrou 2.355.304 indenizações pagas a motoristas, 441.185 pagas a passageiros e 493.597 a pedestres.

Em 2018, 78% das indenizações totais pagas eram para sexo masculino e 22% para sexo feminino. Em caso de mortes 88% eram do sexo masculino, contra 12% feminino. Invalidez permanente apresentou o número de 79% sendo do sexo masculino e 21% feminino. No reembolso de despesas médicas os números ficam de 72% para homens e 28 para mulheres.

Ainda foi possível fazer o levantamento dos horários que aconteceram a maiorias do acidente. Cerca de 24% dos acidentes aconteceram no período do anoitecer, entre as 17h – 19h:59min. 21% no período da tarde, entre 13h – 16h:59min. 18% no período da manhã, entre as 9h – 12h:59min. A madrugada representa apenas 9% dos acidentes.

A faixa etária com o maior número de indenizações pagas foi entre pessoas de 25 a 34 anos, representando do 28,6%. O menor de registro foi entre pessoa de 0 a 7 anos, cerca de 0,5% do total.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *